segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Até mais.



31/12 O tão esperado momento se aproxima, réveillon, virada, passagem de ano e demais adjetivos certo é que daqui algumas horas todo o país estará na mais perfeita alegria... É, vamos dizer que é uma maioria que não representa a maioria da população Brasil.
É interessante o sistema empresarial quando vai definir os seus funcionário e braços direito. Se for um secretário, almeja chegar à chefia, quem sabe a gerência ou acionista sócio majoritário faz parte, é ambições de funcionários crescerem dentro daquilo que faz.
Voltando para o lado humano, me admira e assusta bastante o sentimento possessivo das pessoas. Como crianças ainda bebês que doam seus carrinhos e bonecas para os coleguinhas, mas que ainda não perderam aquele sentimento de posse sobre tais objetos ainda sentem-se donos daquilo, e acaba por causar espanto tanto nos coleguinhas recém-dono do objeto quanto em seus pais.

Acho que depois que você se desfaz de algo não há porque esperar dele aquilo que você não faz mais questão. A menos que você ainda faça questão, mas em determinados casos isso é muito sério e complicado porque abala estruturas e mexe com mais de uma pessoa...

"Não foi assim que eu sonhei a nossa vida a despedida seria até logo mais,
mas numa guerra ninguém mede conseqüências a gente erra, depois pede perdão... Não podia durar para sempre, Não podia ser diferente, Não poderia ter sido melhor..."

Engenheiros do Hawaii.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Se foi.



365 dias se esvaíram como poeira ao vento amanhecendo e anoitecendo num piscar de olhos. O que foi esse ano de 2012? Não sei dizer ao certo o que foi e o que foi feito dele, o que aconteceu de relevante e de irrelevante e o que ficou e vai ficar marcado até o fim dos meus dias. Talvez nada, talvez tudo, não sei dizer.
Mesmo amanhã ou depois, quando eu acordar e olhar para trás, certamente lembrarei de tudo com uma vivacidade espantosa, uma ponta grande de mágoas e alguns resquícios de alegrias. Não posso reclamar de nada, ou posso, mas não devo e dou graças a Deus que me abençoa mesmo que eu não seja merecedor de tal graça. Afinal, quem disse que brincar de viver seria fácil?
Na ponta dos dedos uso o coração, seja para desferir ódio ou amor, uma vez que ambos são sentimentos o coração é a caneta ou os caracteres utilizados para compor cada frase dos textos que aqui me proponho a postar úteis, inúteis, são meus e não abro mão.
Sei que em algum lugar desse universo o dia continua amanhecendo e anoitecendo como um curso normal e que a voz do vento nada comenta a respeito. Sei que o sussurro da noite em nada faz lembrar o passado recente, sei que a dor é mais forte em quem a sente e que depois do temporal nasce o astro rei... Sei de tudo isso.

Que venha 2013 e todos consigam atingir suas metas e objetivos, e que eu também consiga alcançar os meus.

Amém!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Fora dos planos, dentro das perspectivas...



O mundo está sempre a girar e nos últimos anos tem deixado a impressão de que acelerado um pouco mais esse processo com os anos se passando cada vez mais rápido, os dias acabando e recomeçando em uma velocidade mais assustadora que a anterior. Engraçado falar do mundo com seus anos, dias e horas que passa voando tal qual é estranho falar do destino e de todas as arapucas que ele pode nos armar, falar da vida é sempre muito complicado.
Existem coisas previsíveis, imprevisíveis e providenciais, momentos, situações que cercam e chegam a te paralisar. Dentro dessa previsibilidade da vida é possível que surjam coisas imprevisíveis porque sempre vai existir aquilo do qual não estamos preparados e esperando acontecer. Quando eu falo da vida, por favor, leiam-se: minha vida, eu não poderia falar dela num geral porque me falta conhecimento suficiente...
Às vezes você espera aquilo que não tem... Às vezes você tem aquilo que não esperou ter, enfim... É tudo muito simples e ao mesmo tempo complicado. É legal quando você recebe de alguém algo (bondoso) que jamais esperou receber, quando a perspectiva (ruim) era totalmente diferente...


Hoje o panorama mudou e posso dizer que mudou completamente, como um jogador que está fora dos planos do seu time, está eu fora dos seus planos, mas pude perceber que, ainda assim, tem pessoas que esperam algo de mim...

Eu não sei dizer se isso é bom ou ruim... Responda-me, ainda que anonimamente...

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Quanto você paga pra respirar?



Os dias passam voando e mesmo o tédio não é capaz de fazer com que se deixe de ter essa percepção. É louvável que possamos abrir os olhos em cada manhã erguer o corpo, levantar e caminhar até a janela ou até a porta, saudar o sol.
Não sei por que, mas esse primeiro parágrafo, ao ler, me passa um tom meio que espiritual ou místico. Deve ser porque tudo o que nele se encontra está atrelado à meditação e a meditação remete ao descanso espiritual e mental.
Abrir a porta e sentir o vento tocar o rosto, os cabelos, ouvir o canto dos pássaros e o som do vento nas folhas, a primeira vista, passa uma ideia de paz. Nunca fui desses que vai e medita aderente ao movimento Hare Krishna e tal, nem sei o porquê de estar falando sobre isso agora. O que eu sei é que a natureza é bela, nos permite extrair sensações maravilhosas e estamos acabando com ela e com o futuro dos que virão...
A humanidade vai caminhando cada vez mais para um abismo onde, ironicamente, se perde princípios para se manter valores. Princípios e valores são duas coisas totalmente diferentes o detalhe é que um pode engolir o outro. Odeio tocar num tema de forma aleatória como estou fazendo agora passando uma mensagem, uma ideia, sem ter a noção real do meu estado de espírito...

Valores engolem princípios e assassinam escrúpulos, valores também têm, dentro de sua classe, uma subclasse cujo nome é o mesmo, mas a característica é um pouco mais suja...

sábado, 8 de dezembro de 2012

Paths



Não sou muito feliz quando planejo as coisas e sigo uma linha reta abrangendo todos esses mapas e croquis visando esse plano inicial, sempre que me programo planejo algo dá errado e as coisas simplesmente não acontecem, parece até uma maldição, sei lá. Tudo depende também das apostas que fazemos, não é? De repente eu tenha apostado alto demais e me doado demais nessas apostas que vieram a naufragar tal qual o Titanic.
Um dia eu tinha uma meta que tinha como precedentes a construção de uma vida com tudo o que se têm direito nos contos de fadas, ou nos namoricos infantis. rs! Como eu fui tolo em acreditar que seria diferente das vezes em que acreditei e me empolguei com algo. Hoje, por outro lado, a minha grande meta é me formar. A minha verdadeira prioridade é concluir esse curso que já se alongou demais e, também, porque ele é quem me permitirá sonhar algo lá na frente como eu disse em outro post é a questão da responsabilidade.
Acho que o meu destino seja realmente o ES ou talvez eu vá procurá-lo por lá, não sei. Vou prestar concurso federal e espero passar, mas qualquer passo que eu der será somente após me formar, até lá o mundo pode acabar e eu ficarei no mesmo. Às vezes muito longe, difícil de encontrar.



OBS: Acho que recuperei o gosto por escrever.

Abraço e, Feliz Aniversário mais uma vez...

Carpe Diem... '-'



Finalmente acordei nessa manhã ensolarada de sábado e, nossa, como eu me sinto cansado nesses últimos meses. Acho que ando exigindo muito além daquilo que meu corpo e mente podem render isso porque não dou o suporte adequado para que eles passem a render o suficiente a aguentar a minha rotina que não é nada fácil.
Sábado sim, 08 de dezembro? Sim. Exatamente 13 dias para o suposto fim do mundo e eu ainda tenho três semestres para formar, ou só tenho três. *-* Mas esse não é o foco do texto, aliás, como é possível ver, eu tenho perdido o gosto de escrever – pelo menos esse mês –, dezembro é um mês que encaro como o berço da hipocrisia e eu não vou colocar aqui o porquê, pois já falei a respeito disso lá atrás. Então falemos destes 08 de dezembro e daquilo que ele representa, bom ele deve ter uma representatividade na vida de alguém.
A cada dia na vida dos seres humanos um novo ciclo se inicia cada despertar é como se estivéssemos nascendo naquele exato momento e é preciso analisar e apreciar a vida dessa forma. Talvez se dê mais valor ao verdadeiro sentido da vida. Como um equino recém-nascido nós seres humanos também precisamos de uma ajuda para levantar e dar os primeiros passos e nessa vida sempre haverá aqueles que ao invés de te ajudar a equilibrar-se irá te dá um empurrão que, em muitos casos, te atrapalhará mais do que ajudará.
Para os que nascem e sobre nascem hoje aqui vai o meu sincero voto – Felicidades, Saúde e Paz –, a vida é construída de caminhos e assim mesmo cada um deve seguir o seu rumo e aquilo que acha melhor para si. Quem sabe mais, o que pensa ou o que arrisca? Pois é...
Hoje, de fato, são 08 de dezembro. Hoje é, por sinal, aniversário do meu pai. Hoje também é...'-'




Enfim, é dia da Padroeira do Brasil.

domingo, 18 de novembro de 2012

Descontos de Fadas.



Havia um pequeno vilarejo aonde se concentrava uma grande sociedade com várias pequenas famílias. Naquela vila todos tinham sua função e os costumes, de fato, pareciam quase medievais.
Cercado por florestas o vilarejo oferecia vários perigos ao seu povoado e, como se sabe, sempre existe no meio dos jovens aquele mais destemido que se vira a super-herói assim como sempre existe dentre as moças aquela que mais se destaca por sua beleza e qualidades...
Acontece que o mundo sofre mutações em determinado período da linha do tempo e tendeu-se a se tornar mais industrializado, foi descobertos que a milhas e milhas distante daquele lugar existia algo especial e que poderia proporcionar àqueles jovens (sem distinção de sexo, por favor... --‘) E o pai de um dos rapazes resolveu ordenar que o filho ganhasse o mundão a fim de crescer e trazer mais enriquecimento àquele povo.
Naquela época os casamentos eram arranjados e os pais, mais especificamente as mães, eram responsáveis por procurar dentre os rapazes aquele de família mais bem sucedida em termos de riquezas para entregar sob responsabilidade a vida da filha em troca de um bom dote.
Ora, como nos contos de fadas a mais bela sempre vem de origem pobre enquanto o mais forte, corajoso e habilidoso nos machados de origem rica e, pois, mais requisitado entre as sogras. Mas o amor parece escrever certo e por linhas tortas e nem sempre as belas moças têm paixões pelos mauricinhos dos contos, e assim foi com Mônica que preferia – mesmo em silêncio – aquele que partira ao então mais interessante da vila. Porém não partia dela o desejo, visto que os pais já planejavam uma abordagem à família de Jackson a fim de dar-lhe a mão de sua filha.

Passaram-se duas primaveras e ela se viu obrigada a casar-se com o jovem de nobre família, mas em seu coração aquela lembrança jamais deixou de assolá-la. Veria ela de novo o seu grande amor? E se o pudesse ver que diferença faria se já estava casada? (...)



Mas a essência deste conto (conto?) não é bem o romantismo em si, aliás, acho que estou aprendendo a deixar isso de lado, acho que consegui me convencer de que isso é uma grande bobagem...
Devemos, a partir do momento em que fazemos uma escolha, esquecer tudo para trás porque uma vez essa escolha tornando-se realidade o passado não pode vir à tona. Tipo, só acho...

sábado, 17 de novembro de 2012

Anoiteceu em... Rio Branco. Haha.



O cansaço já começa a refletir nos meus costumes diários e fica bastante claro uma possível alteração deles. Ora para quem não dormia antes das 00:00 h é absolutamente estranho chegar do trabalho, dormir um pouco (duas horas), acordar, jantar, ficar duas horas acordado e ir dormir às 00:00 – mesmo tendo dormido quando retornou o que significaria perder completamente o sono – Isto, para quem conhece, é bastante estranho.
Mas eu prefiro assim apesar de estar fazendo um grande mal a mim mesmo porque se eu não consigo acostumar de forma agradável, indo dormir mais cedo e tentando acordar mais cedo, preciso cansar o corpo o máximo possível e tentar vencer meu relógio biológico no cansaço. Anh eu tenho plena consciência de que isso pode, mais cedo ou mais tarde, ocasionar um esgotamento físico quiçá mental e que eu posso cair por aí, sei lá. Mas e daí?
Interessante os pensamentos e a forma como eles se apresentam em nossas cabeças, bastante interessante eu diria. Quando não perturbam o dia inteiro resolvem vir à noite quando o sono bate e você vai se recolher. Ontem a noite estava fria é isso mesmo, como na música, mas nada queimava. Hahahaha! Estava fria e eu comecei a lembrar de várias coisas que cheguei a pensar um dia e a imaginar coisas que eu imaginava sonhando de olhos abertos e o travesseiro foi quem pagou o pato. Haha!
O frio passou porque eu encolhi o corpo e cobri os pezinhos, mas nem mesmo assim os pensamentos deixaram de ventilar em minha mente. Eu adormeci pensando e sonhei...  Old incisions refusing to stay














Like sun through the trees on a cloudy day
Abraço!

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Várias Variáveis.



Não sei se todas as pessoas, mas eu costumo me impor várias limitações. Na real eu digo e até acredito que sei até aonde posso ir, mas a verdade é que, cara, eu realmente não sei.
É tudo muito relativo, sabe? Hoje tu montou na bicicleta e ensaiou, sem sucesso, três pedaladas que são suficientes para que tu saias do lugar e aí? Quem garante que amanhã tu não consigas?
Compreendes agora? Muito relativo, mas mesmo sabendo que é relativo costumo sempre conservar a ressalva, eu tenho sempre o cuidado de tipo, ah cara, eu não gosto que as pessoas criem falsas expectativas, é isso... Odeio criar expectativas também... Dá errado!
Eu sempre costumo fazer uma espécie de labirinto no que coloco aqui com a intenção única e exclusiva de dificultar a interpretação, é que quando me proponho a escrever quase sempre estou perturbado com alguma coisa, então eu preciso tirar alguma diversão no meio disso tudo.
Como deve ter ficado explícito – se não ficou eu acabo de falar – eu estou incomodado com alguma coisa e isso me motivou a vir e colocar de forma desordenada várias palavras, pontos e vírgulas naquilo que poderiam vir a ser parágrafos.
Comentei acho que no post anterior que preciso de um tempo meu para processar tudo o que aconteceu durante o ano, como se fosse uma espécie de retrospecto sei lá, desde que adotei o blog tem ficado cada vez mais difícil o entendimento com pessoas. Já disse que aqui me sinto mais à vontade, muito embora escreva para mim e pessoas lêem, mas enfim...
Pensei em prestar concurso para prefeitura do estado ES, mas como faria isso sem conhecer ninguém por lá? Hahaha! Seria uma loucura, assim como outras que eu também tinha em mente para este ano, mas... por ironia do destino elas tiveram que ser arquivadas... (Assim você me perde ou eu perco você...♫)
Estou me apegando com tudo que posso porque, graças a Deus, sou uma pessoa crédula – exceto em mim mesmo rs –, então mesmo sabendo que o caminho é mesclado com pedras enormes e muitos espinhos, e sabendo que me sinto com pés descalços, estou apostando nessa fé para vencer hoje o que é o meu maior obstáculo e a minha prioridade...
Na verdade eu tenho várias só que preciso dimensionar cada uma a seu nível de importância e não misturá-las ou interpor uma a outra. De repente eu quero antecipar uma que é mais importante que a outra e acabo prejudicando a operação por falta de mecanismos para fazer acontecer, é uma pena a falta de compreensão...


Será? ES? Não, não será. Muita coisa precisa acontecer para poder ser...

Abraço!

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

.?.!



Às vezes o mundo parece sumir diante dos meus olhos e fica a ideia de um grande deserto coberto por um nevoeiro que me impede a visão no momento em que talvez eu mais precise dela.
Momentos como o de agora são capazes de tirar qualquer expectativa minha sobre qualquer que seja o assunto. Sabe aquela pessoa que você espera dias, semanas, meses, até anos por um olhar e, sei lá, de repente recebe esse olhar? Pois é. O momento consegue tirar até o brilho desta espera.
Embora sem qualquer perspectiva, mas, acredite, nem a sua presença foi capaz que furar esse nevoeiro desértico que vejo diante dos meus olhos. Ah, vou trabalhar com um conterrâneo teu tchê.
A sobrecarga (trabalho, aulas, provas, trabalhos acadêmicos, trabalho, provas) tem me desgastado bastante. O ambiente do meu curso, as pessoas, os lugares, tudo tem me deixado no mais perfeito desânimo. Para coroar essa sensação maravilhosa tivemos aí uma greve de quatro meses que deverá atrasar minha vida – fora os tropeços naturais que com certeza terão – por pelo menos 1 ano.
Esse ano aconteceu muitas coisas e eu ainda não tive um tempo realmente meu pra parar e processar tudo. Acontece que isso não pode ficar vindo assim à tona aleatoriamente, ainda em momentos decisivos da minha vida...

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

30/10/2012



Às vezes penso que não pertenço há esse tempo e já comentei isso em algum post aleatório. Não sei, simplesmente não entendo o alto grau de intolerância que cerca o gênio da minha personalidade, assim como não entendo, em alguns casos, a tolerância em algumas situações. Não nasci para agradar ninguém não tenho essa intenção tampouco sou obrigado a me agradar de certas pessoas e certas atitudes, não sou obrigado a sorrir daquilo que não acho graça.
As pessoas – ou grande parte delas – não possuem o costume de expressar o que pensam em relação às outras pessoas e a si mesmos, talvez isto explique o fato de sentirem-se incomodados quando encontram alguém que fala o que pensa. (...)!
Como não nasci para agradar minhas palavras não soam como música aos ouvidos, mas o peso de falar algo de origem inverídica a fim de amaciar o ego alheio eu não terei. Posso ter, contra mim, impressões de ser uma pessoa estúpida, ignorante, grossa, antipática – não sou obrigado a falar/sorrir para todo mundo – e me sinto muito tranquilo com esta situação. Posso ser tudo de ruim, mas procuro ser verdadeiro e dizer o que eu penso algo que, muitas das pessoas LEGAIS, não costumam ser. HAHA!
Não sou perfeito e sinceramente não busco de forma alguma ser. Não sou uma pessoa madura, porém não possuo tolerância a imaturidade. Sou chato mesmo isso define bem! O modo como observo as pessoas deve-se ao fato de confiar demais, que me levou a analisar e escolher as pessoas a quem trazer para o meu círculo de amizades, hoje sou uma pessoa que defende a ideia de que confiança é algo que se e conquista e, como já confiei demais nas pessoas, está confiança fica um pouco difícil de ser conseguida. 

30 de outubro e eu bati a quantidade ANUAL de post de 2011, de repente houve motivos a mais para postar...Post feito durante aula de Culturas Anuais no dia 30/10 daí o título do texto.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Paz de Espírito?



Já reclamei em algumas oportunidades que estou cansado e agora volto a tocar no assunto porque realmente é verdade estou cansado de muitas coisas, existem nesse momento turbilhões dessas coisas ventilando o meu pensamento muito do que e com que tenho de me preocupar e a cabeça da gente fica cheia e chega um momento em que você para de tudo e não faz absolutamente nada. Nunca faltam pessoas pra te apontar o dedo mesmo quando as realidades de vocês são diferentes, mesmo quando essas pessoas não têm preocupação alguma nem mesmo com as respectivas roupas debaixo, mas sempre se acham no direito.
Sopra o vento e trás o tempo de todos os lados uma pontinha de sentimento e todo aquele clima quente de calor intenso dá espaço ao nublado com nuvens carregadas que fazem chover e com a chuva vários pensamento descem como enxurrada.
No momento em que comecei a escrever não estava ouvindo nada e agora não sei o que faz mais sentido, se a música que escuto, ou os pingos d’água que ouço cair no meu telhado e, poxa, como explicar essa sensação de vazio que se sente assim do nada, sem razão, sem porquê? Daqui até que eu desapareça da face dessa terra ainda me perguntarei isso muitas vezes, talvez atinja a casa das milhares de vezes, porque é como a chuva e o sol acontecendo ao mesmo tempo.
E as músicas são as grandes responsáveis por todo o distúrbio – claro levando para o lado emocional – nunca vi sincronia mais perfeita de como deixar um cidadão fo....cado em pensamentos aleatórios...

Meu espírito precisa encontrar a paz...

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Pensamentos sem sentido



O coração da gente é o típico exemplo de novela da vida real, onde você sequer faz ideia do que acontecerá nos próximos capítulos tampouco sabe qual será o final. E segue tecendo, construindo e formulando a cada dia as cenas de um roteiro totalmente desordenado e sem controle. Uns dizem que viver a cada dia sem ter a certeza de voltar é legal, outros dizem que é excitante... Não sei...
Pra falar a verdade eu chego a não saber, às vezes, o porquê de ter um coração. Sério, falando bem francamente, às vezes acho meio que ilógico termos um coração que é movido de sentimentos, que pulsa e ‘’transpira?’’ sentimentos, quando as atitudes não condizem com este significado.
Corações quentes e apaixonados, capazes de cometer as mais insanas loucuras que se pode imaginar a fim de manter acesa a chama da paixão... Corações traiçoeiros, tão ingênuos que são capazes de amarrar a corda na haste para o próprio enforcamento. Corações matreiros que envolvem todos em uma verdadeira salada do mais alto escalão e não se envolve com ninguém, este sim, é esperto. Mas e que graça tem, se o sentimento vazio sempre irá permanecer? Não sei, mas, na minha humilde e simplória opinião é uma mágica inútil.


Corações covardes apenas confusos e frágeis aqueles que são capazes de prometer o seu último pulsar, mas que sabe, ainda que no calor da paixão prometendo, não irá cumprir. Frágeis porque na prova de fogo reprovam-se muito fácil. Covardes porque são capazes, ainda que sem querer e não por mal, de provocar esperanças em campos de batalhas destroçados pelas grandes guerras de sentimentos travadas outrora.



No fim... É o que é, corações são apenas corações e nada mais...

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Ok... Game Over.



Existem dois momentos nas nossas histórias em que tomamos direções bem distintas e satisfações ou insatisfações absolutamente necessárias para essa necessidade que temos de buscar sempre o domínio do eu. O em que estamos na esportividade e, apesar dos problemas que sempre irão existir, dos reveses e dos grandes entraves, seguimos com força porque acredita-se no desenvolvimento e na legitimidade do processo.
Existe também aquele em que falamos sério, fechamos o cenho e damo-nos conta de que é o momento de parar. É difícil aceitar essas coisas porque tem pessoas que não aceitam perder nem em jogo de botão; eu mesmo já fui assim. Hoje tento refletir no motivo pelo qual perdi para que na partida seguinte eu possa fazer diferente e quem sabe voltar a vencer. No futebol eu acuso que a bola tocou em mim por último o que legitima a posse adversária da mesma...
Eu não sei se isso já se faz reflexo da idade, mas é preciso compreender e aceitar que não é sempre que vamos vencer. É duro, mas é preciso aceitar e reconhecer o momento de perder e tentar preparar o espírito para que possamos absorver e converter os erros em acertos porque a vida é assim, e felizmente ou infelizmente temos de conviver com nossos erros e acertos. Os dois em excesso nos fazem mal. O acerto em excesso induz ao erro, o erro em excesso te joga ao buraco, mas pode te levar a acertar também você só precisa ter o equilíbrio.

Eu ando procurando e não é de hoje. Um dia encontro?!

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Bom dia.



Acho que tudo o que passamos de provação nessa vida lá na frente tem um gostinho especial. Não é difícil de perceber que nada cai no colo de ninguém assim por acaso, na facilidade plena, e quando cai o preço do tombo é três vezes maior. O cômodo e fácil é mais desconfortável e problemático do que o suado eu já tive várias provas disso e não ficou só na teoria e/ou na prática de outras pessoas, foi na minha própria prática.
Quando você está em uma trilha caminhando com um objetivo em mente a tendência é sempre seguir em frente e alguns esforços precisam ser feitos. Vai chegar um momento, dependendo do caminho a percorrer, que você terá de se livrar de algumas das suas cargas a fim de ter mais mobilidade e resistência.


Quando você deixa pra última hora o esforço é um pouquinho maior... Como acordar às 03:00 para estudar, por exemplo. :}

A longo prazo isso tudo vale apena. ^~


Ah, Agronomia, só tu mesmo.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

(:



Sempre tiro alguns momentos pra rever o blog desde quando comecei e acabo relendo alguns dos meus post’s, tentando ter a visão diferente da pessoa que fez o texto, tentando entender a mensagem por ele passada e é muito complicado porque eu sei o que tentei passar, então fica difícil fingir não saber e tentar uma outra interpretação... Mesmo os textos de 2011.
Eu realmente gostei muito disso e fazer textos aqui se tornou algo muito comum figura como uma prática. Falar o que se sente independente da forma que tente fazer já é algo bom, meu cantinho serve para que eu seque a minha caixa d’água – como dizia Marlon Nery – e tudo fica mais tranquilo.
Falo sobre tudo e me sinto absolutamente tranquilo e seguro das coisas que me atrevo a digitar porque não são coisas tiradas de algum artigo de onde eu deveria por uma fonte ao rodapé, sendo sentimentos bons ou ruins são meus e eu jogo da forma que julgo necessário e vou continuar assim, descobri um meio de me libertar sem correr tantos riscos e não, talvez vocês não entendessem quais os riscos a que me refiro de repente foi uma frase só para mim no texto, ou seja, indecifrável. Acho que eu tenho esse direto... Temos o direito de ser e de estar. (:

E você... Apesar de tudo, hahaha, é legal saber que tem estado por aqui. ... ^~

E quanto a você, bem, é bom que veja como a vida continua seguindo o seu curso; é bom que comece a se convencer de que o dado não dá sempre 6 como você imagina e que saiba interpretar que num universos de coisas girando ao meu redor eras um fator e não o sol do meu sistema solar.


                E, novamente quanto a ti, guria, sempre vem me ver. ^~


domingo, 14 de outubro de 2012

É preciso crer.





Houve um tempo em que eu me senti um pouco afastado das minhas convicções e isso aconteceu de uma forma tão natural e tão estabelecida que não cabe explicação. Eu sempre fui uma pessoa de fé e isso independe de tratar-se de pessoas ou de causos sempre acreditei no que nunca vi e não me sinto tolo por causa disso, pelo contrário, acho que não estaria preparado para uma manifestação. Mas esse lance de crer é, também, muito embasado na fé não é possível crer sem fé, mas é possível ter fé e não crer em algo. Ficou confuso?! Agora que eu lembrei tem pessoas sim que crêem em outras pessoas e/ou em algo e, não necessariamente têm fé.
Mas eu dizia na primeira linha que tinha me afastado um pouco das minhas convicções e que não sabia explicar o porquê e, de fato, não sei mesmo. Eu não deixei de acreditar em Deus, não, jamais, mas passei em alguns momentos a questionar algumas coisas o que eu jamais tinha feito também e isso pode se caracterizar como uma alternância. Senti-me estranho com tudo isso e creio que até o momento pelo qual passava teve alguma influência. Às vezes você abre as portas da sua casa e mantém as do coração fechadas e isso é o mesmo que chover no molhado.
Determinados fatores precisam somente que a porta da casa esteja aberta, se ela não estiver ele vai entrar de qualquer maneira e, acredito eu, o teu estado de espírito é uma cortesia para eles... Outros não, outros só entram se você realmente quiser e parece que naquele momento eu estava fechado a passagem. Todos têm seus próprios demônios pureza ficou para trás, há muito, muito tempo... Resta a fé...



A própria ciência, ao seu modo, concorda com o lance da fé. O poder da mente quando te aconselha a pensar determinado (a) e positivo (a), diz que as coisas acontecem não é mesmo?

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Reflexos.



Às vezes acontecem situações inusitadas na vida da gente que acabam ocasionando aquela velha e clássica inversão de papeis na qual nem sempre você será o personagem que exige a ocasião. É estranho sentir-se caça quando que na verdade você deveria ser o caçador, essa estranha sensação de estar constantemente em observação me deixa um pouco incomodado.
Falando francamente não sei o que é mais perturbador: a minha indefinição ou a estranha sensação de estar ou não sendo observado. Porque de um lado incomoda, mas de outro passa uma sensação boa. Isso se deve ao variar de pessoas? Talvez deva ser.
A Casa das Sete Mulheres terminou e com ela alguns lampejos similares, que me faziam lembrar você, também se foram. De início não gostei da ideia e confesso que fiquei intrigado com o coração, mas com o passar dos capítulos a semelhança e a lembrança ainda viva me faziam fechar os olhos e apenas imaginar.
Eu tenho consciência plena de que fiz mal em permitir tal desatino deste coração desalinhado, sei também que tudo o que consegui com isso foram mais chagas para sentir dor, mas diz um ditado que: é na dor que descobrimos ser indolores. Eu já comentei aqui que cultivar a dor é uma das características fortes do ser humano, acho que é uma das minhas principais.

Não morrestes ainda, guria. Parece que tua espécie é resistente a tudo que possa matar uma planta. A deficiência de solo deixada, o pH ácido, os fitopatógenos... Tudo! Anh, eu sei que já não sou da mesma espécie, que já morri em teu solo... ~


Se cuida. :|

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Miragem?



Se eu for pensar na vida como um todo desde o que já vivi para tudo ainda vou viver e por tudo que tenho pra passar perderei muito tempo só refletindo sem encontrar um sentido concreto porque é como eu já comentei em algum post recente, nós não podemos fazer essa previsão com precisão a nós não foi reservado o poder de adivinhar o que vai acontecer.
Uma coisa é realmente certa e só agora com bastante medo — eu diria —, consigo compreender o tempo realmente passa voando. Daqui a pouco alguns sinais começam a aparecer e mesmo que busquemos na face do tempo ser mais jovens o tempo acaba passando igual para todo mundo, o que vai definir alguma diferença é a forma como cada um leva a vida.
Mas eu não quero falar sobre a vida ou sobre o tempo na verdade não sei por que iniciei o texto com isso. Queria, sim, falar sobre as circunstâncias ora agradáveis, ora desagradáveis que o destino nos reserva. Os sustos que estamos propensos a tomar no decorrer de cada dia de pé, com os olhos abertos, vivos. É que os fantasmas ainda costuma assombrar mesmo quando não estamos mais sofrendo influência de sua presença, eles resolvem fazer esse show de aparições e jogo de miragens como eu tive hoje...

Hoje eu pensei ter visto... você...

sábado, 29 de setembro de 2012

Atenuâncias...



Lidar com pessoas pode ser complicado e até se tornar um pouco menos nublado quando nos damos conta de que também somos pessoas e que, da mesma forma, ou não, também temos reações bem similares a das outras pessoas.
Certa vez eu falei sobre atitudes e gestos que podem ser interpretados de várias formas, existem uma infinidade delas para traduzir cada um dos gestos expressados, tanto para o bem quanto para o mal e é aí que mora o perigo, pois muitas das vezes é levado para o lado ruim aquilo que, no fundo, bem no fundo, era uma coisa boa.
Falei também que são coisas onde não se tem muito o controle exceto se pensar bem no que vai dizer, mas, mesmo assim, ainda acabará atingindo o alvo porque o que se falou pode – ou não – ser verdade e quando entra nos ouvidos atinge diretamente aquele ponto frágil e soa como uma pedrada acredite é algo que parece dilacerar... Pra quem fala não causa nenhuma espécie de mal estar, pelo contrário a sensação é de consciência tranquila.
Posso dizer que ainda não consigo entender como as coisas funcionam comigo e isso é, muitas vezes, extremamente perturbador. Uma vez escrevi aqui que precisamos nos compreender primeiro para depois chegarmos ao ‘’Mérito?’’ de entender as pessoas, o que não parece ser uma tarefa das mais fáceis. Impressiona-me a gravidade das coisas com que ficamos chateados e perturba o fato de ser tão imperceptível. Às vezes a pessoa acha que são grandes atitudes que te enchem os olhos – assim como o inverso (que te machucam) – mas, muitas vezes, os pequenos gestos ferem e sequer são percebidos.
Perturba também a palavrinha compreensão porque ela nem sempre é representada do lado oposto para com você. Quem comete algumas atitudes e não percebe leva na tranquilidade como se estivesse tudo numa boa, você, bem, você leva na tolerância e na compreensão, mas quando o jogo vira não existe essa palavrinha do outro lado...

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Importante?



Muito se fala na vida e em como ela é importante nas suas mais variadas formas viver é uma necessidade e ao mesmo tempo uma benção, o que não quer dizer, claro, que todos darão os devidos valores a causa. Sabe a nossa ciência todos os dias nos surpreende com novas descobertas, novos estudos, novos conhecimentos.
Os evolucionistas confrontam as verdades encontradas na ciência com os termos criacionistas, porque no criacionismo não existem hipóteses, não existem muitos argumentos, existe apenas uma verdade.
Lembrei de que a vida mesmo nos dias atuais ainda tem sua condição posta em cheque. A própria ciência é construída a partir de hipóteses e teorias, muitos estudos em cima dessas hipóteses. Na verdade tudo tem que ser provado, mas nada tem uma explicação que te exima de dúvidas.
A vida é tão complexa que os nossos estudiosos procuram até hoje informações sobre a genética humana e os resultados oscilam entre novas descobertas e novos fracassos. Mas, pô, se a ciência conseguiu destrinchar a origem da vida, se eles têm um conceito sobre a origem do universo... Por que não conseguiram decifrar o genoma humano?! Diante disso creio que apenas uma coisa é certa a vida é como uma bateria e tem um fim, seja por causas naturais, seja por danos ocasionados, ela tem fim... Talvez esteja faltando um pouco de importância a esse detalhe




Fonte: http://www.grupoescolar.com.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Dor que desatina sem doer?



A mente é tão poderosa que num giro de segundos é capaz de derrubar as mais bem estruturadas fortalezas, trazendo um misto de dor e saudades, a doce sensação de saudades mesclada com a dor daquilo que já não mais está.
Não sei se com as outras pessoas acontece da mesma forma, mas tenho o estranho costume de sempre sentir mais os baques das pancadas, não sei, não consigo dissimular e fingir que aquilo inexiste e não importa a forma com que aconteça se direta ou indireta, eu sinto e é muito forte.
Não entendo muito os porquês e isso me deixa sempre com uma interrogação enorme na minha cabeça. Queria entender, por exemplo, porque a raiva que eu sinto não expulsa de minha mente todas as lembranças que teimam em me visitar, porque as palavras ecoam – assim como algumas vozes – em minha cabeça... Queria, a exemplos, agir da mesma forma que elas e me desligar de tudo porque não espero nada, então, se não espero nada, porque não mando tudo a p.............lutão?

Pergunto-me também, pra quê fazer questão de insinuar-se em minha mente, uma vez que já me mandou embora de tudo que fosse possível fazer parte/estar em sua vida? .... Já não basta?

               No momento tudo está tal qual a imagem, de cabeça para baixo...





Abraço... ou não.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Why is it so difficult?




Chega um ponto onde o ponteiro do relógio parece ter se descontrolado e passado a girar sem parar é estranho observar tudo ao seu redor girando mais depressa. Você nunca sabe o que a vida te reserva até que ela mesma resolva revelar diante de você e o pior disso tudo é a força que se precisa ter, porque é difícil não olhar para trás, é difícil, muito difícil olhar para frente e esquecer completamente de olhar para trás.
E nesses momentos ponho-me a questionar tantas coisas, tantos fatos, pontos de vista, convicções minhas, porque simplesmente tudo perde o sentido quando você chega ao limite da indagação, ou quando você chega ao fim do lugar nenhum.
Não tenho certeza mais de que: ‘’o que os olhos não vêem o coração não sente’’, quando temos nossa mente que servem como uma espécie de olho que fica transmitindo várias imagens de momentos em nossas cabeças e nos fazem lembrar do que vimos outrora, o que, com certeza, causará o mesmo sentimento ao coração dos olhos que não estão vendo!
Eu assisti a um filme desses bem antigos e me perdi em alguns momentos porque a transição das cenas acontece de forma bastante escrota, onde pula de uma cena para outra fazendo parecer que uma parte do filme foi simplesmente cortada sem uma continuidade lógica de compreensão. O exemplo é ficção, mas e quando acontece na vida real? E quando você é a cena que transcendeu a uma outra?




Inside we're all the same why can't we tear down the walls, and show the scars we're covering?

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Descartável, sim. Reciclável, talvez...



O mundo gira bem similar a esse globo que eu tenho no canto inferior direito da tela que, aliás, é um exemplar fazendo alusão ao mundo no qual vivemos. Fica difícil dizer o que vai acontecer daqui três ou quatro horas, assim como não é muito certeiro prever alguns acontecimentos daqui há 4 ou cinco anos podemos sim, fazer estimativas e suposições, mas o resultado mesmo é muito difícil de se ter a precisão.
Às vezes é boa a forma surpresa como as coisas acontecem e você tem aquela sensação prazerosa. Outras vêm de forma trágica, inesperada, aflita, dramática. Fico pensando que nós poderíamos ter o dom de prever essas situações ruins, pois teríamos pelo menos a oportunidade de nos prepararmos para não sofrer tanto com o impacto.
Posso dizer que eu procuro me antecipar em alguns casos e isso se deve a experiências anteriores, então procuro me resguardar só que não funciona do jeito que pensamos e queremos as coisas mais dão errado do que certo. Mas eu chego a um momento em que viro as costas para certas coisas e procuro não mais dar importância. Consigo seguir isso a risca? Não! Sou fraco nesse sentido e sempre deixo a desejar a mim mesmo, mas um dia eu decidi não ir atrás e assim estou até hoje. Um novo fato entrou em pauta nesse meio tempo, mas, por que eu não posso fazer isso novamente? Não já fiz uma vez?
Não me preocupo mais com a direção que o vento está a soprar porque já me dei conta que ele muda sua direção ao bel-prazer. Hoje está contra o meu favor, mas amanhã pode estar a favor dele e depois, bem, não procuro pensar no depois.

Estou fazendo a minha manutenção pessoal, desfragmentando, excluindo, formatando, limpando os arquivos temporários, descongestionando e abrindo espaços.


Afinal de contas sou como um copinho de festas, sou, fui e serei descartável/descartado.




No fim das contas, somos todos assim.