domingo, 27 de janeiro de 2013

Seize the day.



Não sou do tipo que ao virar-se do avesso conhece cada perímetro e entende todas as reações. Não, eu ainda não tenho esse autocontrole. Creio que não conheça ninguém capaz disso. Nem mesmo aquelas pessoas que já são bem vividas, ninguém capaz de dizer ‘’eu me conheço por dentro e por fora’’, não conheço e não muito diferente disso sou capaz de entender tudo que acontece.
Não sei se acontece com todos, mas existem várias coisas que envolvem o meu ser e que acredito estar além da minha compreensão. Posso dizer que, com uma série de repetições de eventos, hoje eu tento frear algumas atitudes e alguns impulsos, mas não é nada fácil.
Quem lê esse tipo de texto deve pensar que eu tenho uma necessidade imensa de me encontrar, de me compreender. Se pensares assim terá completa razão e acho que todos os seres humanos deveriam ser iguais neste sentido. O auto-entendimento é importante para que possamos compreender as demais pessoas. Imagine que às vezes não conseguimos prever a nós mesmos, como achar que compreendemos o próximo?!
Eu costumo dizer que não busco ser a melhor pessoa do mundo, não tenho isso como meta e nem como objetivo. Eu procuro sim, ser uma pessoa melhor o que não é uma tarefa fácil, pois o aprendizado vem no dia-a-dia. Acho que devemos ir pegando as pedras e utilizando-as como assoalho e ir desviando das demais, mas sempre seguindo em frente; esse seguir em frente deve ser bastante cauteloso, bastante cuidadoso para que não acabemos passando por cima de ninguém...


Abraço.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Variações de um mesmo tema.



Todo dia volto ao mesmo ponto do ontem que me trouxe ao antes de ontem e ao antes do antes. É impressionante a facilidade que tenho de fazer essas viagens, incomoda a forma com que todo o clima gerado por ela me afeta.
Sabe aquela sensação chata de uma música que fica te perturbando durante todo o dia? Então, é mais ou menos assim que as coisas acontecem o que difere é que comigo, ao invés do som o que aparecem são imagens quando desvio o olhar. Estranho né? Também acho, mas até já me acostumei.
Por acaso eu já comentei sobre o pensamento inquietante de estar no tempo errado, no corpo errado e de, quem sabe, ter a idade errada? É, como se meu espírito envelhecido tivesse encarnado e progredido nesta nova vida de forma desnivelada.
Eu fico tão perturbado com esses tornados que passam por meus pensamentos, que quando todo o tormento parece ter passado àqueles fragmentos que estão soltos no ar se unem e saem intuitivamente sem dizer coisa alguma. Diria, quem lesse o texto, que sou demente... é, talvez eu seja demente...


E as variações de um mesmo tema começam a fazer sentido em meus textos...

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Happy Birthday late.



Tenho postado algumas coisas esses dias, mas passei batido ao fato de que o blog fez dois anos e resiste bravamente, como o nome do próprio diz, enquanto eu tiver disposição e bobagens ele será alimentado por elas e, então, resistirá.
Ele abrigará todas as minhas vivências e experiências da minha forma, é claro, serão expostas todas as situações que me afetam direta ou indiretamente, seja para o lado bom ou para o ruim. Abri esse diário – que não é tão diariamente assim postado – com o intuito de esvaziar a cabeça e me livrar do stress.
Ele tem cumprido tarefa a qual foi ordenado, tem substituído com primor o desabafo mais comumente praticado e me auxilia em diversos outros aspectos, no entanto tem me transformado numa pessoa um pouco mais fechada, o que torna o convívio social bem mais seleto e de difícil acesso.
É que às vezes eu sinto mais segurança de falar as coisas aqui, mesmo sabendo como se fosse apenas uma voz, como aquelas pessoas que falam com as flores, com o cachorro, com os gatos, pessoas que estão dispostas apenas a falar e não querem ouvir. Tudo bem eu sei que pra isso existem os psicólogos, analistas e os amigos confidenciais, mas e aí? Quando a gente já sente uma segurança imensurável no blog, qual o problema não é?
Acho que tudo nessa vida gira em torno de alternativas, escolhas, perseverança e coragem de fazer dessas escolhas eventos reais. Vão haver escolhas erradas que podem findar dando certo, também haverá aquelas que poderiam ter dado certo e foram descartadas...


Haverá sempre aqueles que te influenciarão a fazer algo, mas se caso isso dê errado serão, também, os primeiros a dizer: eu avisei que você ia se ferrar que não era pra fazer...

E o blog vive em função disso, em conformidade com que as coisas acontecem comigo, na minha vida ao meu redor. Já deixei bem claro que o campo de enfoque é amplo no blog e o domínio... bem, o domínio continua sendo meu.

Abraço.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Janeiro.



Eu desconhecia um janeiro tão úmido assim parece que todas as chuvas do ano resolveram pairar nos céus durante esse início de ano. O bom disso é a mescla de nuvens que faz do céu cinza e lembra os dias das cidades geladas aonde o sol pouco dá o ar da graça.
Acho que as coisas na vida da gente são como as águas do mar, sempre variando entre calmarias e tempestades, sempre no limite –pelo menos eu tenho vivido em meu limite – independente do que esse limite vá significar.
Coisas do presente sempre parecem estar trazendo coisas do passado à tona, isso não causa um efeito legal e, eu ainda me pego nas inconstâncias ocasionadas por certas circunstâncias. Não sei talvez eu coloque o pé no passado, vivendo ali, o presente vivo, o momento corrente, será que consegui arranjar mais um fantasma? Não creio, mas é o que se desenha.
Não tenho a intenção de ser fantasma de ninguém, adoraria não ter fantasma algum também, mas quem é que pode determinar essas coisas não é mesmo? Cada caso é um caso diferente, cada romance é um detalhe paralelo, cada amor é tanto e diferente fica difícil diagnosticar assim tão repentinamente.

Ainda preciso tirar aquele dia de por tudo em ordem tenho vivido empurrando tudo com a barriga e, no meu limite, isso não é legal.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Eu presto atenção nos que eles dizem, mas eles não dizem nada...



Às vezes na vida não há muito que compreender até mesmo quando coisas se desenham de forma súbita, rápida, inesperada, é simplesmente fazermos à leitura e, dependendo das circunstâncias, seguir em frente ou deixar passar. Um bom discurso eu diria, mas não sei levá-lo à frente...
Dizem que é com o passar dos anos que vamos amadurecendo e com as pancadas que vamos aprendendo. Dizem que quem muito apanha um dia aprende a bater não sei dizer se isto é verdadeiro, mas posso dizer que se aprende a não apanhar mais.
Por motivos passados, sou um interprete diferente no presente deixando algumas coisas correrem seu curso normal ou que eu acho que seja. Quase sempre vendo e achando tudo natural, sei lá, acho que isso deve tirar a paciência, um dia disseram que eu não ajudo e fiquei tipo, três semanas tentando desvendar o significado disso.
Às vezes penso e comparo a um jogo de futebol onde os dois times se preparam, entram em campo e começam cada um fazendo o seu jogo, mas depois de metade de um dos dois tempos de partida um resolve começar a vencer... Foi assim com Flamengo x Santos no 2º turno ano passado, Flamengo não quis vencer e o Santos resolveu ganhar.


Hoje eu tive um daqueles momentos que só acontecem uma vez e em ônibus. HOEHAUEOAHAHEOA.

Acho que por isso, por só acontecer uma vez, eu fui notado. Hahaha!

Boa noite.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

It's just a game that I play...



Nada dura pra sempre as coisas não tendem a permanecer no mesmo lugar, uma rocha não será rocha eternamente depois de um tempo ela começa a intemperizar. O tempo muda a direção dos ventos mudam também, os pensamentos mudam as estações do ano as luas...
Não acho que deva levar tanto em consideração as alterações repentinas ou momentâneas e não consigo explicar o porquê de levar tudo isso em consideração. Não sei dizer por que, de alguma forma, tudo isso me causa uma leve perturbação.
O desapego deveria ser tão fácil quanto o apego e as amarras afetivas não deveriam existir, ou deveria, mas que fossem como as nuvens de fumaça facilmente dispersáveis ao vento.

Sabe aquele tempo pra mim? Pois é, ainda tô precisando agendar esse momento para que eu possa conversar comigo mesmo, mas não aqui pelo blog a conversa tem de ser em ritmo de meditação, olhar para dentro, fazer a retrospectiva e pontuar as negativas e as positivas organizar geral...




De uns tempos para cá tenho adotado uma postura silenciosa diante de fatores e situações dessa natureza. As árvores não se distanciam das pessoas... elas (pessoas) é que se distanciam das árvores.

domingo, 13 de janeiro de 2013

Nós e entre-nós.



Tenho meditado nos últimos dias sobre algumas coisas que começam a tomar forma diante de mim. É sempre muito estanho quando começo a escrever sem algo assim, digamos que, pré-determinado. Poucas foram às vezes em que sentei aqui para escrever e me vi sem caminhos, ou sem atalhos.
Acho que não deva ser encarada de forma natural pelos professores a ideia de estarem sendo avaliados. Logo eles que estão ali todos os dias avaliando os alunos que coisa mais maluca, pois é, mas eu mesmo depois de um tempo passei a estudar as pessoas, avaliá-las, analisá-las... Sou um imbecil por isso?
Tenho sentido uma sensação estranha ultimamente e isso tem me deixado encafifado. É como se eu, que analiso, avalio e estudo as pessoas estivesse sendo estudado. É uma sensação estranha que causa certa tensão porque para nós que avaliamos fica aquela ideia de querer adivinhar, mas aí vai e cai na real de que neste jogo o player não é você.

Como se fosse uma espécie de teste, sei lá, parece que os meus pensamentos são tabelados e monitorados ou que as expectativas têm que ser quebradas em determinados momentos.

Sinto-me em uma arena andando em círculos e sendo observado de algum palanque... Eu só queria entender o porque de estar me sentindo assim.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Similaridade



Gosto de dias completamente nublados que fazem o céu tonalizar cinza e dos ventos gélidos que lembram o fenômeno friagem, típico da minha região. Esse tempo mais frio mexe um pouco com o humor de algumas pessoas, tratando especificamente de mim, interfere nos pensamentos eu acabo ficando mais aéreo. Nos últimos anos eu tenho erguido muros diante de mim numa busca extrema por sintonia comigo mesmo, na tentativa de consertar algumas coisas, renovar outras, tenho processado algumas ideias que contribuem bastante para o nosso desenvolvimento como pessoa e auto-observação é um caminho bem certo.
Transformei-me numa pessoa antissocial por consequência de uma série de fatores dos quais não quero citar, passei a analisar as pessoas e isso tem reflexo tanto positivo quanto negativo, de longe é uma forma de triagem para com aqueles que vou me relacionar e algumas pessoas não veem  com bons olhos. E os muros, bem os muros são escudos talvez até naturais que erguemos para proteção. São escudos também praticados em consequência de situações anteriores que visam proteger, mas que também acabam por repelir algumas coisas boas...

Um fato novo tem ocorrido nos últimos tempos que tem me deixado um pouco confuso e acabei descobrindo que esse muro não é assim tão intransponível. Parece que dependendo da leveza da flor as barreiras se abrem em passagens e eu, como sempre o para raio, vou enfraquecendo cada vez mais...

domingo, 6 de janeiro de 2013

Return? No...



O inverno resolveu chegar mais cedo, friagem resolveu chegar mais cedo, ou é apenas o meu coração que se enche de frio quando teima em me fazer lembrar de certo passado, ou que eu pensei e acreditei ser passado... Às vezes eu acho que as coisas estão erradas porque não bate o tempo com o personagem. Não me sinto eu, ou me sinto tão eu, mas o tempo está contando a mais. Ficou compreensível isso?
Chega a ser assustador como nós, seres humanos, somos fortemente influenciados pelo emocional. É como se fôssemos refém de sentimentos e lembranças que, na verdade, sequer chegam a ser lembranças essas coisas me assustam. Em algum lugar desse mundo existe alguém que, não sei o porquê, mas ainda não deixou de existir aqui para mim embora não devesse mais.
E a saudade que vem cortando, dilacerando, vem de dentro da alma com uma força que eu pensei não mais ter. Novamente do nada o coração me deixa a mercê dos pensamentos e sentimentos que já deveriam ter se perdido com o tempo... Nem mesmo a primavera e verão que vieram após você foram capazes de te apagar...

sábado, 5 de janeiro de 2013

Alívio imediato.



Impressões podem ser criadas e mudadas tal qual mudam as direções dos ventos. Atitudes podem mudar impressões, impressões podem segurar atitudes, mas não podem mudar as pessoas. A impressão que você tem de minha pessoa hoje pode ser facilmente mudada ou piorada pela manhã, e isso sem que eu saiba de nada do que você pensa ao meu respeito.
O lance é tão tenso que você pode criar uma impressão distorcida em relação a alguém devido alguns simples comentários de pessoas próximas, vão te fazendo criar uma imagem que muitas vezes não é a real... Às vezes você só tem boas impressões de alguém e essas impressões vão se afirmando com uma sequência muito regular de atitudes que as legitima.
Acontece que isso não é o determinante para saber se você conhece as pessoas. Às vezes não conhecemos nem aqueles que pensávamos conhecer desde criança, de repente nem os que são nosso sangue e só com um tempo que vão se revelar...

Impressões são como rótulos que damos as pessoas. O que precisamos avaliar para defini-las são suas atitudes, mas acima delas o caráter...


Não vou negar que tenho e, muitas das vezes, me deixo levar pelas impressões sejam elas boas ou ruins...

Mas posso dizer que, em relação a mim, tenho minhas convicções, tenho o meu caráter e as minhas atitudes, meu jeito de ser... diante de tudo isso as impressões são nada...

Abraço.

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

2013

É isso começamos um novo ciclo e o que ficou de 2012 foi rever nossos erros e aprender com eles, para que possamos fazer as coisas diferentes nesse ano de 2013. É hora de refletir sobre tudo, isso mesmo refletir sobre os erros, sobre os acertos, sobre as apostas, sobre os planos, objetivos, traçar novas metas e lutar muito para conseguir torná-las reais.
Acho que é preciso deixar 2012 para trás ou algumas coisas dele, pois temos aí mais 365 para viver, quem sabe até morrer durante eles então precisamos ser e respirar o ano que está em vigência. Acho que a gente precisa viver mais.
O querer do ser humano é muito importante, mas você precisa procurar e até aceitar algumas coisas para que esse querer se torne num poder fazer. Você quer ser feliz, mas precisa procurar a felicidade e precisa ser receptivo, pois às vezes a felicidade se apresenta sem que você precise andar muito para procurá-la, mas o que ocorre é que estamos com os olhos vendados e não percebemos... Superemos 2012 e sejamos felizes em 2013.

Hoje eu só olho para frente, pois assim o desejo que seguir cada vez mais adiante me contagia. Olhar para trás pode despertar a vontade de voltar. É fácil tripudiar quando a situação está a nosso favor, mas é infeliz tripudiar quando não se sabe da situação dos demais. Desejo que não sejam apenas momentos bons, espero que tudo se mantenha constante na linha do tempo e que quem sorrir hoje permaneça sorrindo, assim como eu estou sorrindo esses dias todos.

Algumas coisas realmente precisam dar errado para que outras possam dar certo. Renato Russo foi um gênio. ^^